COGNITIVISMO

O início da psicologia se dá em 1879, com os estudos de Wundt, que se utilizou da metodologia científica experimental usando o método introspectivo para investigar os Estados de Consciência. Em 1914, Watson publica o "Manifesto Behaviorista", no qual propõe uma psicologia do comportamento que é experimental, observacional e não introspectiva. Watson critica a ênfase dada ao estudo da introspecção e da "vida interior", e estabelece o comportamento do sujeito como objeto de estudo da Psicologia.

Os postulados por ele estabelecidos deram origem aos posteriores avanços do Behaviorismo e uma de suas principais contribuições foi o estabelecimento de unidades de respostas fisiológicas por estímulos. Suas bases filosóficas são o positivismo (não pretende ir além do observável), o pragmatismo (produzir conhecimento útil, aplicável) e a reflexologia de Pavlov.

Outros cientistas, principalmente Tolmann, preocupam-se com o rigor científico e metodológico da ciência e de suas práticas experimentais e, por volta de 1930, começam a criticar o mecanicismo behaviorista nas pesquisas em aprendizagem. Com o surgimento de Skinner ao criar o "Behaviorismo radical" afirma-se que a organização do comportamento não se localiza no indivíduo, mas nas suas relações: é o que ele vai chamar de"contingência tríplice": estímulo - resposta - consequência reforçadora. Suas idéias foram na época aceitas no campo da educação.

Por volta de 1955, 1960 até 1976, há o surgimento de uma grande insatisfação que ocorre juntamente com os avanços de outras áreas da ciência. Surgem a teoria dos sistemas (por volta de 1920-40), as ciências da computação (em torno de 1944), a cibernética (feedback,1936), as teorias da informação (1948) e a robótica.

Todos essas novas abordagens e avanços tecnológicos, bem como a insatisfação com o Behaviorismo, impulsionam o surgimento do Cognitivismo sob a abordagem do Processamento da Informação.

A inovação propiciada pelo cognitivismo tem suas bases nos modelos S- O- R de Pavlov e Hull, tendo Neisser (1967) como o teórico principal através de sua Teoria de Sistemas e com Von Neumann como o criador do modelo de Processamento da Informação para computadores (1953).

De 1975/76 até hoje houve um segundo momento de insatisfação criticando a rigidez e a inflexíbilidade do modelo até então utilizado, no qual a mente era só uma "passagem" de informações e/ou estímulos. A crítica é de que havia uma analogia excessiva com computadores e com os modelos de processamento de informação computacionais e que se usava a lógica clássica já ultrapassada (exemplo: se x=1 e y=1, então x=y; o que nem sempre acontece). Esta foi substituída atualmente pelas lógicas probabilísticas difusas.

Há um movimento de psicologização do psiquismo no qual o objeto de estudo da psicologia passa a ser a representação psíquica abstrata, simbólica e semântica (com significado), sendo considerada como uma mudança de paradigma dentro da psicologia.

O objeto de estudo passa a ser o subjetivo, os conteúdos mentais e uma das principais tarefas passa a ser a construção de modelos matemáticos e axiomatizados em diferentes campos de investigação; como exemplo a inteligência artificial, a memória semântica, os estilos cognitivos da personalidade, a formação de conceitos e a resolução de problemas.

Os psicólogos cognitivistas do processamento da informação geralmente analisam a maneira como as pessoas solucionam difíceis tarefas mentais e constroem modelos para essas explicações. Esses modelos podem tomar a forma de programas de computador, de gráficos ou de outras esquematizações do fluxo de processamento cognitivo no desenrolar das tarefas. O objetivo é sempre o de compreender as capacidades, os processos, estratégias e representações mentais básicos subjacentes ao comportamento inteligente apresentado pelas pessoas no desempenho de tarefas.

Os principais autores são Ulrich Neisser (teoria de sistemas), Herbert Simon (modelos matemáticos), Allan Newell (inteligência artificial) e John Anderson (aprendizagem).

Existem duas principais abordagens em Psicologia Cognitiva atualmente: a) abordagem do Processamento da Informação b) abordagem Conexionista

A mente tem similaridades com o computador em alguns aspectos, tais como a memória e sua organização. Ambas são capazes de seguir direções em bases lineares, ambas representam informação internamente, ambas recebem informação de fora de uma forma e colocam na memória de outra forma.Todos os aspectos levantados como sendo comuns aos seres humanos e aos computadores constituem o embasamento da abordagem do processamento de informação, no qual os processos cognitivos se tornam o equivalente aos programas mentais.

A abordagem conexionista amplia essa visão afirmando que o nosso sistema cognitivo pode fazer muitas "coisas" ao mesmo tempo, o que sugere que nosso sistema cognitivo, como nosso cérebro, trabalha como máquinas paralelas mais que seriais pois faz várias coisas simultaneamente.

Algumas das perguntas básicas que se fazem os estudiosos são referentes ao relacionamento da cognição para a concientização, ao como o conhecimento humano pode ser descrito e explicado e se os processos cognitivos são separados ou modulares de um para outro.

Em 1967, ULRIC NEISSER publicou o texto clássico "Psicologia Cognitiva". Sua definição é que a "Psicologia Cognitiva se refere a todo processo pelo qual o input sensório é transformado, reduzido, elaborado, armazenado, recuperado e usado".

A cognição começa como input sensório, que em seguida é alterado ou transformado. Nosso aparato sensório está sintonizado com certos tipos de energia presentes no mundo. Este sensório converte a energia física em energia neural, ou como os psicólogos cognitivistas dizem, a estimulação física é encadeada em eventos neuronais.

A noção de código é uma importante idéia na Psicologia Cognitiva; um código é um sistema de sinais usado para representar letras ou números na transmissão de mensagens. Nosso sistema nervoso parece fazer o seguinte: a estimulação física é representada pela atividade do sistema nervoso de uma forma que preserva algumas das características do estimulo original. A transformação do estímulo físico produz mais que um código neural, pois que a transformação também resulta na criação de um código cognitivo. Os códigos cognitivos são criados pela atividade de nosso sistema nervoso, isto é, a transformação da energia física que é potencialmente capaz de inscrever-se em nossa consciência tornando-se um acontecimento mental.

A distinção entre esses dois tipos de consciência é necessária porque nossa consciência dos próprios códigos cognitivos não é completa; alguns códigos cognitivos entram em nossa consciência, outros não. Uma vez criado, o código cognitivo pode ser reduzido ou elaborado. A redução de um código cognitivo se refere ao fato que nem o código neural nem o código cognitivo, preservam e retém todas as características do estímulo psicológico inicial. A elaboração de um código cognitivo se refere ao relacionamento de um evento mental específico a um outro.