Interacionismo simbólico


1 Vida social: interações mediadas simbolicamente

SIMBÓLICO

construído nas interações

SIMBÓLICO

dá o sentido da ação individual

SIMBÓLICO

coordena ação interindividuais




2 As duas dimensões da vida simbólica

1) a linguagem

forma de racionalização

2) a expressão dramática

forma de representação

3 As estratégias da ação simbólica

4 Os meios de comunicação

1.1 SIMBÓLICO construído nas interação

Ao contrário do que afirma Hegel, o interacionismo vai afirmar que o mundo simbólico é construído nas interações entre duas ou mais pessoas. Isto é, o simbólico não é resultado nem do sujeito consigo e nem do sujeito com o objeto. Por outro lado, é uma concepção diferente do marxismo, na medida em que não funda a linguagem e a comunicação nas trocas comerciais e trabalho produtivo (Hegel) ou na prefiguração do que fazer (o símbolo como pré-requisito da ação).

1.2 SIMBÓLICO dá o sentido da ação individual

Fundado nas interações, o simbólico é base do sentido que cada um dá às suas ações. Isto é, o sentido individual é fundado nas interações, e que aquilo que o “eu” faz é regulado por aquilo que o “nós” constrói socialmente. Os indíviduos se condicionam mutuamente.

1.3 SIMBÓLICO coordena ação interindividuais

As estruturas simbólicas construídas nas interações passam a regular estas mesmas interações e outras das quais o indivíduo participa, numa circularidade.

2.1 A racionalização a partir da linguagem

A linguagem é a forma de racionalização, isto é carrega o sentido de compreensão racional da realidade e das interações. Esta racionalização se desenvolve conforme as experiências interativas de vários indivíduos que compõem uma determinada comunidade (ou instituição, família e grupo de amigos). Portanto, a razão, do ponto de vista interacionista, amadurece no contexto destas experiências, onde os vários enunciados linguísticos são incorporados como significantes e ressignificantes conforme interesses, táticas e estratégias presentes neste mundo da vida. Portanto:



2.2 Os níveis da ação simbólica dramatúrgica

A expressão dramática - forma de representação - se constitui numa dimensão de particularização dos atores conforme determinado cenário de interações. Do ponto de vista social, não segue uma norma de racionalidade, mas sim de reconhecimento mútuo dos interagentes sobre formas de vestir, gesticular, entonar, sorrir, chorar e assim por diante. Um estudo sobre estas manifestações dramáticas certamente poderá, entretanto, sugerir um modelo de explicação sobre os momentos em que se deve sorrir, chorar, entonar, gesticular, etc...como ato de significação social. A ação dramatúrgica abrange os seguintes momentos:



3 As estratégias de comunicação

horizontalização estabelecer identidades/igualdades de papéis sociais, comportamentos e valores através da linguagem e da expressão dramática
cooperação buscar significados com o outro, transformando-os em referências de comportamento
socialização disponibilizar para todos os valores simbólicos enunciados
emancipação criar espaços de interações horizontais cada vez mais amplos, integrando sempre mais indivíduos a este universo











verticalização estabelecer hierarquias de papéis sociais, comportamentos e valores
diferenciação buscar a diferença (por exemplo, da marca, do produto, de papéis, etc) se articula com a individualização
individualização buscar a marca do individual nos enunciados e representações simbólicas de dramatização
poder exercício da violência simbólica, expresso no reconhecimento por outros de seus enunciados de hierarquização/verticalização













Início | banco de conhecimento | empíricos | exercícios | construções | interações
ferreira@netu.unisinos.br
Editado em 31.set.97.